Temas Fechar

Sustentabilidade em casa: 6 dicas práticas para começar

20 de Agosto de 2020
Créditos de imagem: Adobe Stock

Andar de mãos dadas com o ambiente, ser mais ecológico e ter um estilo de vida mais sustentável pode ser mais fácil do que parece. Saiba o que pode fazer para que a mudança comece na sua casa!

“Os portugueses continuam a precisar de 2,19 planetas para manter o seu atual estilo de vida”.

 

Assustador, não acha? Esta é a informação que pode encontrar no Relatório Planeta Vivo de 2018 da WWF (World Wide Fund For Nature) e que nos faz bater de frente com a realidade. O que será que andamos a fazer? Onde é que vamos parar?  

 

Andar de mãos dadas com o ambiente, ser mais ecológico e ter um estilo de vida mais sustentável pode ser mais fácil do que parece! O mais difícil mesmo é dar os primeiros passos, deixar de lado os velhos hábitos que conhecemos desde tenra idade e habituarmo-nos a determinados produtos ou formas de fazer as coisas do dia-a-dia.

 

Por onde podemos começar? Pelas nossas casas, implementando novas rotinas com a família e consciencializando as pessoas com quem vivemos sobre  a importância de preservar o ambiente.

 

Para o ajudar, e porque a mudança começa em cada um de nós, reunimos um conjunto de dicas que pode começar já a colocar em prática. Sustentabilidade combina com uma casa portuguesa? Com certeza!

1. Embalagens descartáveis? Não, obrigado!

Uma ida às compras representa uma enorme quantidade de lixo. Pense comigo: onde é que costuma colocar a fruta e os legumes? Onde é que vêm guardados os packs de iogurtes? São tantas embalagens de plástico e de cartão que não têm qualquer utilidade e acabam sempre por ir parar ao caixote do lixo assim que entram na sua casa que o melhor é garantir que nem sequer chegam a lá entrar!

 

Mas como é pode fazer a redução deste desperdício? Vamos por partes:

 

  • Sacos e embalagens

 

sacos-compras-sustentaveis.jpg

Créditos de imagem: Adobe Stock

 

Antes de sair de casa lembre-se de verificar se leva sacos reutilizáveis consigo - a maioria das pessoas já o faz, mas há sempre quem ainda recorra aos sacos de plásticos que, para além de não serem nada sustentáveis só lhe dão uma despesa extra! Para não facilitar quando vai “só comprar uma coisinha” e está fora de casa, tenha sempre na mala do carro alguns sacos preparados para estas situações! (Truque simples, mas infalível, acredite!)

 

Para a fruta e para os legumes, atualmente algumas superfícies comerciais já têm ao seu dispor sacos reutilizáveis ou sacos de rede. Sempre que possível, opte por comprar a granel e pense sempre duas vezes antes de levar para casa algum produto destes embalados (quantas vezes já vimos o alho francês ou os brócolos envolvidos numa película de plástico desnecessária? Deixe esses produtos de lado…).

 

Estes sacos podem ser comprados nos supermercados ou, melhor ainda, podem ser feitos por si dando vida a roupas que já não lhe servem ou que não estão em condições de serem doadas.

 

» Aprenda a fazer o seu próprio saco ecológico a partir de uma camisola usada, clique aqui

 

  • Água engarrafada

 

Tem o hábito de comprar água engarrafada? Existem alternativas de utilizar garrafas ou garrafões reutilizáveis que podem ser enchidos em máquinas disponibilizadas em alguns locais mediante um valor bem mais baixo do que o aplicado na compra de garrafas novas.

 

Para levar consigo para o trabalho, tem sempre as garrafas de vidro que duram muito tempo e podem ser personalizadas a seu gosto.

2. Reciclar e reutilizar: os primeiros passos para ser mais sustentável

Já faz reciclagem aí em casa? Excelente! Se ainda não o faz, está na altura de começar! Este é talvez o primeiro passo que tem de dar para começar a ter um dia a dia mais sustentável.

 

Reutilize o máximo que conseguir: os frascos de vidro de alguns produtos (como o grão de bico ou as azeitonas, por exemplo) podem servir para guardar alimentos comprados a granel ou até para fazerem de elementos decorativos. Dê asas à imaginação e pense duas vezes antes de deitar fora: “será que posso adaptar isto para mais alguma coisa?”.

3. Mas afinal, o que é melhor: lavar a loiça à mão ou à máquina?

Crédito de imagem: Adobe Stock

A velha questão de sempre: afinal é melhor lavar a loiça da forma mais tradicional ou recorrer à máquina é uma boa ideia? Alguns estudos revelam que escolher a máquina da loiça é uma opção mais amiga do ambiente, mas há quem continue a defender que a lavagem à mão é a melhor alternativa.

 

Mas afinal, o que é melhor? Depende muito da forma como utiliza cada opção:

 

- Lavar a loiça na máquina só é sustentável se a máquina estiver cheia e não for utilizada apenas para lavar meia dúzia de pratos e talheres.

 

  • Alguns truques para utilizar a máquina de forma eficaz: use o ciclo económico sempre que possível, não interrompa o programas de lavagem e use a quantidade certa de detergente adequada à sua máquina (deverá consultar o manual de instruções)  

 

- O mesmo se aplica à tradicional opção de lavar a loiça à mão: para ser sustentável deve acumular alguma loiça para ser levada de uma vez só evitando assim os desperdício de água.

 

  • Alguns truques para lavar a loiça à mão de forma eficaz: não deixe a água a correr, tente sempre ensaboar e esfregar todas as peças com a torneira fechada e enxaguar tudo de seguida. Experimente deixar a loiça “de molho” para ajudar a limpar mais facilmente alguns resíduos; procure usar esponjas de qualidade (para além de diminuir o usos de detergente e de água, terá de comprar menos esponjas ao longo do ano.)

 

O mais importante é que escolha a opção que melhor se adequa à sua rotina diária. Se vive sozinho pode não fazer sentido investir na máquina de lavar a loiça pois só vai conseguir ter loiça suficiente para a encher depois de várias refeições.

 

Pense no que faz ou não sentido para si e depois, independentemente da escolha que fizer, faça-o de forma consciente e sustentável.  

4. O segredo está na escolha dos produtos de limpeza

Que produtos tem usado para limpar a casa ou lavar a roupa? Sabia que produtos naturais como vinagre, bicarbonato de sódio e limão podem ser grandes auxiliares na limpeza da casa tão eficazes como os produtos cheios de químicos?

 

Os produtos de limpeza mais comuns têm na sua composição tensoativos sintéticos provenientes do petróleo – matéria prima não renovável e muito poluente. Outros químicos provocam a eutrofização da água, afetando a fotossíntese e provocando um desequilíbrio do ambiente.

 

O grande problema é que o impacto negativo dos detergentes e outros produtos de limpeza começa no momento da extração das matérias primas até chegar às nossas casas. Atualmente já existem várias opções de detergente ecológicos e em alternativa pode sempre fazer os seus próprios produtos de limpeza.

5. “O último a sair desliga a luz!”

Créditos de imagem: Adobe Stock

Quantas vezes saímos da sala e deixamos a luz acesa porque “só vamos dar um pulinho à cozinha” e rapidamente passa uma meia hora sem nos apercebermos?

 

Para os mais esquecidos, a utilização de sensores de movimento é uma excelente opção. Requer algum investimento, mas a longo prazo vão ajudá-lo a ser mais amigo do ambiente a diminuir a sua fatura da luz ao final do mês. Utilize esta ideia em locais que não exijam iluminação constante como a garagem ou os corredores, por exemplo.

 

Pode ainda optar por colocar painéis solares aí em casa. Para além de converterem a energia solar em luz elétrica, também podem ser utilizados para aquecer a água dos banhos.

 

As lâmpadas LED devem ser as suas melhores amigas a partir de hoje! A durabilidade é maior e é o tipo de lâmpada que consome menor energia – cerca de 7W de potência enquanto as lâmpadas incandescentes consomem 60W.

 

É claro que, sempre que for possível, deve aproveitar ao máximo para manter as janelas abertas aproveitando a luz do sol. Se estiver a construir a sua casa, tenha em consideração a colocação de claraboias em alguns pontos estratégicos para iluminarem os diferentes espaços.

6. “Diz-me que produtos usas e dir-te-ei quem és”

Créditos de imagem: Adobe Stock

Como é quem tem sido a sua rotina de higiene pessoal até hoje? Quantos banhos toma por semana? Dá preferência aos duches em vez dos banhos de banheira, certo?

 

Todos os dias, desde o momento em que acordamos até à hora em que vamos dormir, gastamos uma enorme quantidade de água. Só para lavar os dentes, se o fizer com a torneira sempre aberta gastará cerca de 14 litros, enquanto que se usar um copo vai diminuir para os 0,30 litros! É muita água...

 

Para além do desperdício de água, se juntarmos os produtos que usámos, a situação piora significativamente! Então, o que podemos fazer para diminuir a nossa pegada ecológica nestes momentos do nosso dia a dia? 

 

  • Na hora do banho

 

- Água - enquanto a água não aquece, utilize um balde ou um garrafão para armazenar essa água que mais tarde pode ser usada para a descarga do autoclismo ou para regar as plantas. Faça esta experiência e vai surpreender-se com a quantidade de água que tem andado a desperdiçar!

 

- Sabonete e champô sólidos - Segundo um artigo publicado no site da National Geographic, “a composição da maioria dos champôs é de 80 por cento de água, e a percentagem nos amaciadores pode chegar a ser superior, rodando os 95 por cento”. Os sabonetes e champôs sólidos duram duas ou três vezes mais pois são produtos mais concentrados e é o próprio consumidor que vai adicionar água na hora de os usar.

 

  • Na rotina diária

 

- Escova de dentes - Sabia que uma escova de dentes de plástico demora cerca de 400 anos para se decompor? Como alternativa a estas escovas, surgiram no mercado as escovas de bambu, um material 100% biodegradável (as cerdas da escova podem ser cortadas e recicladas juntamente com o plástico).

 

- Discos de algodão - Se usa os discos de algodão ou toalhitas na sua rotina diária para remover a maquilhagem, está na hora de conhecer os discos reutilizáveis que podem ser lavados à mão ou na máquina.

Alguns perfis que tem de começar a seguir nas redes sociais para se inspirar e começar a sua jornada no mundo da sustentabilidade:

 

1 - Do zero

 

do-zero.jpg

Créditos de imagem: www.do-zero.pt

 

Catarina Barreiros é a fundadora do projeto “Do zero” onde pode encontrar várias dicas de atitudes ecológicas para aplicar no seu dia-a-dia.

 

Assuntos relacionados com sustentabilidade na alimentação, passando pela cosmética e pela saúde até à higiene são abordados no seu blog e deram origem a dois workshops disponíveis online - Workshop “Cozinha do Zero” e “Começar do Zero”.

 

O lançamento de um podcast está previsto para breve e pode acompanhar este projeto no instagram @catarinafpb e no blog “Do Zero”.

 

 

2 - Maria Granel

 

maria-granel.jpg

Créditos de imagem: www.mariagranel.com

 

Maria Granel é a primeira mercearia biológica a granel em Portugal com a missão de disponibilizar produtos biológicos e combater o desperdício ao dispensar embalagens na venda dos seus produtos.

 

Atualmente conta com uma loja física em Lisboa - Alvalade e Campo de Ourique - e uma loja online. Pode ainda acompanhar este projeto através do seu blog onde encontra algumas dicas, receitas, histórias e outros temas relacionados com sustentabilidade - ou através do podcast Maria Granel.

 

Ter uma casa sustentável não tem de ser uma tarefa difícil ou dispendiosa, antes pelo contrário: são pequenas ações que pode comçear já a praticar no seu dia a dia e que vão fazer a diferença. Quer ir mais longe? Comece a divulgar a mensagem junto da sua família, amigos e colegas de trabalho e desperte-lhes o interesse em saber mais sobre o universo da sustentabilidade. 

 

Gostou deste artigo? Leia também "11 dicas para transformar o seu local de trabalho num espaço sustentável".

 

Andar de mãos dadas com o ambiente, ser mais ecológico e ter um estilo de vida mais sustentável pode ser mais fácil do que parece. Saiba o que pode fazer para que a mudança comece na sua casa!

20 de Agosto de 2020
Autor:

Catarina Pinheiro

Content Manager
Partilhar:
Publicações recentes
Newsletter
Subscreva a nossa newsletter!
Copyright Zome Portugal® 2019. Todos os direitos reservados.
Política de Privacidade Termos e condições Resolução Alternativa de Litígios