Temas Fechar

Profecias à parte - por Tito Pinto

22 de Abril de 2020

Estou em casa há mais de um mês e acreditem que há tanto para dizer que tal não caberia num texto como este.

Estou em casa há mais de um mês e acreditem que há tanto para dizer que tal não caberia num texto como este. Visto que a necessidade aguça o engenho, comecei a cozinhar, pois se eu não cozinhasse, falecia, mas há quem não queira saber disso para nada. No entanto, é algo muito importante tendo em conta o que tenho para vos dizer.

 

Comecei a fazê-lo e hoje em dia sou quase um chef Avillez. O que é que isto tem a ver com o mercado imobiliário? Tudo, visto que, quem se adaptou à imperativa mudança – e da forma mais rápida possível – está a ter resultados e a garantir a continuidade da satisfação dos clientes.

 

Sei bem que passamos por diversas provas ao longo da vida e que depende de nós, sozinhos ou com auxílio dos outros, ultrapassá-las e é certo que só assim crescemos como pessoas e como profissionais.

 

Neste momento abraçamos a dificuldade com a privação de algo a que estavamos habituados em toda a sua plenitude e significado - a liberdade. Acreditam que uma semana antes da quarentena eu disse aos meus amigos “não, hoje não posso ir jantar com vocês porque estou cansado. Marcamos isso para a semana, ok?” Entretanto, essa semana transformou-se, para já, em quase 40 dias.

 

Acreditem, porém, que no meio de tudo estamos a viver uma época abençoada, pois passamos a prestar mais atenção e a dar mais valor a certas coisas que estavam a ser esquecidas pela maior parte da sociedade. Sim, falo por exemplo do “simples” abraço que passará a ter mais valor do que outra coisa qualquer. São tempos de mudança e acredito que para melhor no que à sociedade diz respeito. Pelo menos quero acreditar nisso, pois já fazia falta uma exigência para definirmos os valores que realmente importam. É este o ensinamento a retirar: as relações são a coisa mais importante da nossa vida!

O que vos posso dizer desta fase que atravessamos já há mais de um mês confinados em casa?

Que graças a Deus tenho Netflix e HBO para passar o tempo, mas, acima de tudo, que sinto falta da minha família, dos jantares e saídas com os meus amigos e das brincadeiras com os meus colegas do HUB da Zome onde trabalho (Porto CEC).

 

Como resolvi isto? Através da tecnologia que nos permite adaptarmo-nos a uma situação como esta e continuar a nossa vida profissional. Ficou tudo resolvido? Não, porque faz falta o tal abraço, mas, no entanto, minimiza o “estrago” da distância. E o que mudou relativamente ao trabalho que desenvolvo diariamente como consultor imobiliário? A forma e a quantidade de trabalho, porque tem sido bem maior nesta altura, pois a exigência assim o obrigou.

 

Sempre quis marcar o mercado – tal como outros colegas – pelo profissionalismo, sem promessas vãs a clientes, boa disposição e com o sucesso dos processos em que me envolvo. Continuo a ajudar pessoas a vender e a comprar os seus imóveis e, só nesta altura de quarentena, já realizei três reservas até ao momento, ou seja, seis famílias que estão a ver as suas vidas mudar para o que sonhavam. Infelizmente, outras famílias vêem estes sonhos em standby em plena “epidemia do não trabalhar, porque não sei como o fazer, ou porque é impossível fazer algo nesta situação”. Sim, porque à parte do COVID-19 há outra doença que se apoderou do mercado imobiliário - a calaceirice - e isso eu não consigo entender ou sequer aceitar!

 

O tom profético como certas coisas têm sido ditas, faz-me crer que efectivamente algo vai mudar no mercado imobiliário, mas não no sentido que querem fazer passar ao público geral. Não considero sorte trabalhar na Zome neste momento, pois quando a empresa foi formada, esta seria a que se destacaria de toda a concorrência pela sua evolução e, principalmente, pelo cuidado por parte da liderança com as pessoas que nela trabalham.

 

Entre reuniões matinais, formações constantes aos consultores e staff, documentos digitais editáveis, assim como material de oferta aos clientes para facilitar (ainda mais!) os processos de venda – leitores de cartões de identificação – há uma coisa que me permite afirmar, com toda a certeza, que muitos mais colegas virão trabalhar para esta empresa.

 

Os outros que me perdoem a honestidade, mas considero a Zome vencedora no mercado imobiliário, não só pelo seu sucesso, mas principalmente pela sua capacidade de adaptação e vontade de crescer e reinventar o mercado. Todos fazem falta ao mercado imobiliário, menos aqueles que não trabalham ou prestam um mau serviço ao cliente. Sim, porque o que importa são os clientes e, para os servir, é preciso trabalhar.

 

"É isso que nos distingue, pois trabalhamos para obter soluções e de forma a acrescentar ainda mais valor à relação que temos com os nossos clientes."

 

Fazem falta imobiliárias que trabalhem em exclusividade de promoção dos imóveis e que expliquem aos clientes que esta é, efectivamente, a melhor e única forma de trabalhar um imóvel com o máximo de profissionalismo. Fazem falta imobiliárias que não queiram apenas ter um catálogo de imóveis nos seus sites que poderão, por acaso, ser promovidos por outras dez ou mais imobiliárias.

 

Faz falta um mercado imobiliário profissional e assente na partilha, pois, só assim, é possível prestar um bom serviço aos nossos clientes e contribuir, desta forma, para o crescimento da credibilidade do profissional do mercado. Fazem falta clientes que sejam bem acompanhados logo desde o primeiro contacto que fazem com o mercado imobiliário. Fazem falta formações, profissionalismo e ética.

 

Na Zome nada faz falta e, se algo faltar, a liderança faz o que sempre tem feito – apresentar soluções rápidas e eficazes. Por isso digo com orgulho que eu sou Zome.

Estou em casa há mais de um mês e acreditem que há tanto para dizer que tal não caberia num texto como este.

22 de Abril de 2020
Autor:

Tito Pinto

Consultor Imobiliário Porto CEC
Partilhar:
Publicações recentes
Newsletter
Subscreva a nossa newsletter!
Copyright Zome Portugal® 2019. Todos os direitos reservados.
Política de Privacidade Termos e condições Resolução Alternativa de Litígios